Notícias

Conhecimento sobre criptomoedas passa a ser exigido por diplomatas brasileiros

Conhecimento sobre criptomoedas passa a ser exigido por diplomatas brasileiros

Com a crise financeira de 2008, a credibilidade de governos e grandes bancos e empresas ficou bastante desgastada. Para combater essa baixa confiança e devolver o poder do dinheiro às pessoas, o Bitcoin foi criado. Mais de dez anos depois, as criptomoedas ganharam um espaço enorme no mundo globalizado.

 

O irã, por exemplo, está sendo um grande acolhedor para o mundo cripto. Sofrendo sanções financeiros dos Estados Unidos, o país passar por dificuldades econômicas bastante intensas, levando problemas ao dia a dia de sua população. Para reverter esse quadro, além do uso permitido das moedas digitais no território, o governo também oficializou a mineração do Bitcoin. Hoje, o país já é responsável por 3,82% da atividade mundial.

 

Com essa importância nas relações internacionais que as criptomoedas estão apresentando, e Bancos Centrais desenvolvendo seus próprios ativos digitais, a edital do Concurso de Admissão à Carreira de Diplomatas do Brasil está exigindo conhecimentos sobre “Criptomoedas, blockchain e os impactos na economia mundial”. O programa disponibiliza 24 vagas para a classe de terceiro-secretário, pagando um salário de quase R$ 19,2 mil.

 

Essa mudança no paradigma dos órgãos governamentais comprovam as mudanças que a tecnologia blockchain e das criptomoedas estão promovendo em todo o mundo, exigindo ferramentas para lidar com essa revolução do sistema financeiro.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *